Crise não é para todos

A crise pode ter sido provocada por um vírus importado, mas encontrou aqui um caldo de cultura propício ao seu desenvolvimento que beneficiou de benefícios usufruídos por alguns que continuaram a beneficiar e causou danos graves a outros.
Apesar das declaradas intenções de reduzir a dívida – o que inclui o défice e as despesas – continua incólume o demasiado e escandaloso compadrio como foi citado por um candidato a deputado que disse que cada pessoa de uma lista de 20 tem em média 50 empregos desde cargos de administração até conselhos fiscais. Por outro lado o número de reformados do sector público que ganham pensões superiores a 2500 euros – o dobro do valor médio pago a todos os ex-funcionários – explodiu na última década. Também é alarmante que o contingente de aposentados com 4000 ou mais euros engordou 400%.
Os detentores do Poder e muitos analistas têm mostrado necessidade de mudar de óculos, a fim de poderem ver com nitidez a realidade. Têm as mentes de tal forma deturpadas que apenas conseguem ver e pensar em dinheiro – défice e dívida – e esquecem que deviam pensar nos portugueses, colocando a tónica na redução d as despesas, em vez de sacarem descaradamente os cêntimos das pessoas, e de se gabarem que, com isso, o défice está ser reduzido. É imperioso que não demorem a descer ao mundo real.
O saque aos portugueses vê-se na subida extraordinária do IRS e IRC, na descida da Despesa na Saúde, com a redução da massa salarial, das comparticipações de medicamentos e do corte na despesa hospitalar, no agravamento do desemprego e aumento da precariedade, nas reduções de salários e pensões, etc.
Todas estas medidas representam a penalização do povo, exigindo sacrifícios a quem menos tem e menos pode, levadas a cabo para suprir a má governação, os abusos na utilização do dinheiro público em benefício do bando que vive à custa do erário público, das decisões insensatas, de obras públicas sem necessidade nem urgência, etc.
Há muitas despesas a evitar no que podem ser seguidos exemplos de outros países bem governados, no que a Espanha já deu um passo.
Uma crise bem gerida pode servir para moralizar a vida individual e social, Pode ser um obstáculo que ao ser vencido cria músculo e estímulo para uma nova vida mais racional, e eficaz, nos aspectos essenciais e eliminar atitudes e comportamentos nocivos ou de menor interesse. É bom que se pense em moralizar o regime tornando-o mais propício ao desenvolvimento de Portugal e à felicidade dos portugueses.
AJS, Maio 2011
Imagem do Google
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s