Ajuda externa. Hesitações em excesso

Apesar de ter de ser dado o devido desconto à filiação do autor, transcreve-se o artigo seguinte, deixando aqui a pergunta referente à última frase, dado o estado de vícios e manhas da nossa actual política, poderá ser encontrada gente com dimensão ética e sentido de Estado para dirigir o país? Espero que em comentários alguém me ajude a esclarecer esta dúvida.
Correio da Manhã. 04-04-2011. Por: Luís Marques Mendes, ex-líder do PSD
Colocar o interesse nacional acima do interesse partidário é uma afirmação que, de tão banal, já caiu em desuso. Apesar disso, ela aplica-se na perfeição a um facto importante desta semana.

Confrontado com a necessidade de pedir ajuda externa, o Governo repetiu à exaustão que, sendo Governo de gestão, não dispõe de competência para o efeito. Apesar de o Presidente da República, o presidente do Tribunal Constitucional e a esmagadora maioria dos constitucionalistas assegurarem que o Governo dispõe de toda a legitimidade para o fazer.
Ao contrário do que se possa pensar, a questão não é jurídica. É política. O Governo não pedirá ajuda financeira ao exterior não por falta de poder, mas sim por falta de vontade. Não quer fazê-lo para não dar o braço a torcer, uma vez que, levianamente, garantiu ‘urbi et orbi’ que nunca o faria. Mais ainda. Não pedirá ajuda externa para poder passar toda a campanha eleitoral a acusar os outros (leia-se, o PSD) da suprema maldade de desejarem o FMI quando eles (os socialistas), sérios e puros, nunca o permitirão. Ou seja, o país pode estar financeiramente a arder, sem dinheiro para pagar os salários da Função Pública daqui a dois ou três meses, que, mesmo assim, o Governo não pedirá ajuda externa. E ainda se gaba disso. Politicamente falando, um comportamento destes já não é sinónimo de teimosia. É mesmo esquizofrenia.
Recordemos o óbvio: tal como ninguém faz dieta por prazer, também ninguém recorre a ajuda financeira por gosto. É sempre uma questão de necessidade. Mas quando é mesmo necessário não se hesita. A alternativa é maior sofrimento, mais sacrifícios e a bancarrota a flagelar o país. Só não percebe isto quem está cego e obstinado, quem faz política de terra queimada ou quem quer explorar o mal dos outros para seu benefício político ou partidário.
E, quando vemos o ministro das Finanças – o grande coveiro desta situação – a desafiar provocatoriamente o Presidente da República para ser ele próprio a pedir a ajuda externa em vez de se congratular com o apoio que o Chefe do Estado se disponibilizou a dar, então chegámos mesmo ao fim da linha. Já nem sequer temos ministro das Finanças. Este homem passou a ser um mero pau mandado de um maquiavélico primeiro-ministro.
Alguém me perguntava há dias: mas será que está tudo louco? Não sei. O que sei é que esta gente não tem nem dimensão ética nem sentido de Estado para dirigir o país.
Imagem do Google

This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s