Pugilismo verbal em vez de apelo à união

Num momento em que se pressente que Portugal está em colapso. É lamentável que os maiores responsáveis, dos partidos com mais peso na vida política, percam tempo e energias em actos de pugilismo verbal em vez de unirem esforços para evitar decisões precipitadas e mal preparadas. E o mais grave é que se trata de pugilismo praticado num tapete constituído pelos portugueses, por Portugal, que é desprezado como a relva dos estádios em dias de futebol ou o mexilhão, quando o mar bate na rocha.

Na troca de pedradas ou de murros, fala-se muito do FMI sendo rejeitado liminarmente por uns e aceite por outros mas sem serem explicadas as razões de cada um dos pugilistas, e deixando os cidadãos sem dados que lhes permitam apoiar, com conhecimento de causa, uma ou outra das posições. Como de costume, espremendo os discursos, os argumentos resumem-se ao habitua «porque sim».
Entretanto continua a decidir-se na continuação do agravamento das causas da crise, como se vê no decreto que permite o aumento do valor dos ajustes directos, vindo «simplificar» adjudicações e dando oportunidades a amiguismos, trocas de favores, tráfico de influências, corrupção e enriquecimento ilícito, pecados que há anos João Cravinho quis combater mas que o Poder tem permitido que continuem impunemente, e que têm dado grande reforço á crise que estamos a atravessar e que irá tornar a vida difícil às gerações vindouras.
E embora muito boa gente esteja de acordo em que «deve-se cortar na despesa e não aumentar impostos», continua-se com a obsessão de novos PECs, novos aumentos de impostos, novas alterações ao orçamento, sem surgirem sinais visíveis de reduzir a lista com dezenas de institutos públicos que podem ser extintos
Há quem diga que o «FMI» é uma sigla que pode e deve ser aplicada internamente com urgência e sem aoio estrangeiros, pois resume-se a 

F de fundações que devem ser eliminadas por sugarem o dinheiro público sem nada produzirem que justifique tais gastos;

 M de ministérios, secretarias de Estado e outros gabinetes que devem reduzir as despesas exageradas com pessoal a mais e assessores que nada têm contribuído para eficiente acção governativa, como mostra o buraco em que fomos metidos;

 I de institutos e instituições a encerrar por não terem finalidade definida e justificada, que apenas têm servido para albergar amigos, sem capacidade para sobreviver com o seu próprio valor, e que têm sido um sumidouro de grande calibre dos dinheiros dos impostos. 

 Este FMI parece desejável!!!

 Este FMI parece desejável!!!

Imagem do Google

 

This entry was posted in Uncategorized and tagged , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s